20/04/2017      Métricas de Software

Pontos de Função e SISP


Os pontos de função são a forma mais conhecida e utilizada de medição de funcionalidade de um software.

Da mesma forma que a distancia de uma cidade é invariável de acordo com a velocidade com que se chega nela utilizando diferentes meios de transporte, os pontos de função não variam de acordo com a linguagem utilizada para desenvolver o sistema.

Desta maneira um desenvolvedor pode levar 10 horas ou 2 horas para decodificar um ponto de função, e isso não impacta no valor pago pela contratação. Os pontos de função são hoje utilizados pelo governo junto ao SISP (Sistema de Administração dos Recursos de Tecnologia da Informação).

 

Entenda a relação: Pontos de Função X SISP

O roteiro de métricas SISP é o sistema utilizado pelo governo federal para coordenar, planejar e organizar a área de Tecnologia da Informação (TI).

Com ele (roteiro que coordena todas as medidas que dimensionam o trabalho da TI), é possível organizar e coordenar todas as medidas que dimensionam o trabalho da TI, prevendo assim os gastos e as atividades.

Também é possível direcionar da melhor forma o dinheiro publico dedicado ao departamento de tecnologia dentro do governo, estimulando seu uso racional.

O SISP foi decretado em 1994, e surgiu com essa finalidade de organizar a aplicação dos serviços de informática no poder executivo.

Diversas instituições públicas e privadas utilizam o método de dimensionamento de software a partir da contagem de pontos de função para coordenar seus projetos. No entanto, embora prática, essa é uma unidade de medida que precisa ser amplamente conhecida para ser devidamente aplicada.

O SISP dispõe de um guia que trata sobre a métrica a partir de pontos de função, mas o principal manual de instruções sobra a utilização desse tipo de contagem de funcionalidade ainda é o Manual de Práticas de Contagem (CPM), publicado e frequentemente atualizado pelo International Function Point Users Group (IFPUG).

 

Roteiro de Métricas: guia para aplicação dos pontos de função

Não apenas as empresas, grandes ou pequenas, utilizam o ponto de função para medição de seus softwares e para facilidade de planejamento de projetos.

O governo federal é um adepto e grande usuário dos pontos de função.

O roteiro de métricas do governo é um material amplo e claro sobre a aplicação dos pontos de função enquanto medida de software.

O documento encontra-se disponível no site do governo na aba “Roteiro de Métricas” e destrincha a função e a finalidade da contagem dos pontos de função dentro do SISP, bem como sua importância na contratação de qualquer serviço de software.

Todo o conteúdo do roteiro de métricas do SISP é baseado no CPM e visa estimar o tamanho e os custos das contratações internas e externas para realização de serviços de TI.

Com a implantação desse roteiro, os pontos de função passam a ser a medida oficial de contagem e dimensionamento de software dentro do governo federal, e reconhecido nacionalmente como uma prática eficaz e confiável.

O roteiro de métricas traz uma série de analises e informações sobre os pontos de função, e tem como objetivo explicar de forma clara baseados nas premissas de “simplicidade” e “consistência”, fazendo-se assim ser inteligível a qualquer cidadão que o procure.

 

Requisitos não funcionais e o SISP

O SISP dedica um de seus tópicos ao debate sobre os requisitos não funcionais.

Estes, que se referem aos dados de não funcionalidade do software, mas essenciais para seu desenvolvimento também são citados com grande importância no roteiro de métricas oficial do governo.

Segundo o SISP, os requisitos não funcionais também devem ser dimensionados e especificados em contrato, estabelecendo dessa maneira uma relação de total transparência e compreensão entre contratante e contratado.

Comentários