23/11/2016      Métricas de Software

Análise de Ponto de Função (APF): aliada do desenvolvedor e do usuário


A indústria de engenharia de softwares pode parecer confusa e muitas vezes incompreensível para a maioria das pessoas. Sempre que se pesquisa a respeito, encontra-se os tais pontos de função. Mas afinal, o que é um ponto de função?

Análise de pontos de função (APF) é a técnica mais antiga (e constantemente utilizada) para medição funcional de um software. Isso significa que os pontos de função vão responder o que o software está efetivamente lhe fornecendo e qual é o seu tamanho, deixando claro se essa resposta atende as necessidades pré-estabelecidas.

Esse esclarecimento de funcionalidade é feito independente da linguagem ou tecnologia usada para o desenvolvimento do software, e o ponto de função é unidade de medida utilizada para tal.

Saiba o que é um ponto de função

Os pontos de função, portanto, traduzem o que o software faz, independente de como ele foi desenvolvido.

Uma das principais premissas da APF é ser clara e simples. Sendo assim, analistas de sistema, usuários profissionais ou leigos conseguem compreender e utilizar os benefícios da análise de ponto de função sem grandes dificuldades.

A APF é uma grande aliada ao desenvolvimento e gerenciamento de projetos. Utilizada em conjunto com outras métricas de software, ela se torna uma peça chave para aumentar a clareza de funcionalidade além de auxiliar na estimativa de custos e prazos, transformando em dados numéricos contagens até então subjetivas.

Assim como as demais técnicas de métrica, os pontos de função existem para quantificar e informar ao usuário os resultados do software, mensurando sua funcionalidade.

Dessa forma, muitas empresas utilizam a técnica de contagem de pontos de função como medida para manter seus serviços, negócios, relacionamento com clientes etc.

 

Mas quem criou a APF?

Agora já entendemos o que é um ponto de função. Mas quem criou essa técnica de contagem?

A APF surgiu na década de 70 a partir da idealização de Allan Albrecht, então pesquisador da IBM.

Os estudos de Albrecht para chegar a APF surgem quando, dentro da IBM, ele precisa analisar softwares de diferentes linguagens de programação. Sendo assim, ele inicia as pesquisas para a criação de um método que foque na funcionalidade, e não na identidade do software.

Seus estudos são publicados em 1979 e despertam o interesse de toda a sociedade tecnológica.

A APF hoje é uma técnica mantida e estudada pelo IFPUG (International Function Point Users Group), um grupo de estudos sem fins lucrativos que foca suas pesquisas em ferramentas de dimensionamento de software.

 

Como funciona a análise de ponto de função?

A partir de alguns critérios, a técnica de análise de ponto de função atribui um valor numérico a cada funcionalidade do software.

Muitos passos devem ser seguidos para alcançar o resultado esperado de uma análise de pontos de função. Abaixo, listamos o inicio desse trajeto:

O primeiro a se fazer é identificar com o usuário qual é a finalidade da contagem dos pontos. Com esse dado é possível determinar então o que a APF deve identificar e quais necessidades serão analisadas.

O segundo dado a ser coletado é a forma de contagem, pois existem três diferentes tipos de contagem de ponto de função, sendo eles:

  • Desenvolvimento: considera todas as funções do projeto a ser desenvolvido.
  • Melhoria: analisa apenas as modificações necessárias para que o projeto ofereça um melhor desempenho
  • Aplicação: análise de um software já existente
     

Depois disso, definem-se quais serão os dados analisados no software e quais elementos serão contabilizados, entre eles, os dados de armazenamento.

Seguindo nessa direção, com alguns outros passos, chega-se a um resultado que mensura e quantifica os resultados do software utilizado, entregando ao usuário uma ferramenta importante e grande aliada na clareza da funcionalidade de seu software.

Comentários